NOTÍCIAS - Brasil

15/10/2003 - Brasil : bancários

sem título

Greve no BB e na Caixa atinge quatro Estados e DF

ROSE SASSARRÃO
da Folha Online

Os bancários do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal divulgaram um balanço da paralisação, iniciada hoje, em pelo menos quatro Estados e Distrito Federal.

Segundo a CNB-CUT (Confederação Nacional dos Bancários, ligada à CUT), 70% dos 6.000 funcionários do BB na Grande São Paulo aderiram ao movimento.

Em Brasília, a confederação afirma que 80% dos 8.500 bancários do BB participaram da greve. Na Bahia, o sindicato diz que a adesão chega a 90% de um total de 1.900 empregados.

O Rio de Janeiro também teria participação de 90% dos 5.500 trabalhadores. A participação é maior na capital de Minas Gerais. Em Belo Horizonte, a maioria dos 6.500 bancários teriam aderido à greve.

O Banco do Brasil ainda não divulgou qual seria a adesão ao movimento.

Cruzar os braços

Em São Paulo, o sindicato vai realizar uma assembléia hoje para avaliar a paralisação. Segundo a CNB-CUT, o BB ainda não procurou os bancários para falar sobre a greve.

Os funcionários do BB decidiram cruzar os braços após rejeitarem a proposta de reajuste salarial oferecida pelo banco.

O reajuste seria de 12,6% para a maioria dos funcionários. Quem ganha menos teria também uma promoção, que garantiria uma reposição extra. Além disso, o banco ofereceu R$ 1.500 de abono e participação nos lucros de 80% do salário mais R$ 650 fixos.

Ontem, a assessoria de imprensa da instituição recomendou que, ao invés das agências, os clientes utilizem caixas eletrônicos ou a internet por causa da greve.

Caixa Econômica

A CNB-CUT informou que a participação dos trabalhadores da Caixa Econômica Federal é menor. Parte dos Estados aprovou o reajuste salarial oferecido pelo banco. A proposta é a mesma do BB.

O movimento da Caixa é mais forte em Belo Horizonte, no Mato Grosso e no Rio de Janeiro.

No Mato Grosso, a adesão chega a 70% dos 500 funcionários. No Rio, 80% dos 4.500 bancários estariam de braços cruzados e em BH a maioria dos 6.500 dos trabalhadores pararam hoje(©Folha Online)


BB diz que greve foi parcial e atingiu cinco capitais

SANDRA MANFRINI
da Folha Online, em Brasília

O movimento de greve dos funcionários do Banco do Brasil foi parcial e atingiu cinco capitais no país: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Brasília e Recife. Essa é a avaliação feita pelo próprio banco, que ainda não sabe dizer qual o percentual de agências fechadas no país.

A informação do BB é de que, mesmo com paralisação, os serviços de auto-atendimento do banco estão sendo capazes de atender à demanda maior da população pelo pagamento de contas, saques, depósitos, investimentos, transferências.

A avaliação é de que, se houve interrupção do atendimento pessoal, o cliente conseguiu ser atendido nas salas de auto-atendimento, que são capazes de realizar 276 operações.

Proposta

O BB ofereceu para 75% dos funcionários o mesmo percentual de reajuste proposto pela Fenaban (Federação Nacional dos Bancos), de 12,6%. Para os demais, os reajustes variam entre 6% e 12%. Além disso, o BB propôs um abono salarial de R$ 1,5 mil para todos os funcionários. Essa proposta, a princípio, não foi aceita.

Segundo a assessoria do BB, os negociadores do banco passaram o dia tentando levar informações a todos os funcionários sobre o que foi proposto.

Já na Caixa Econômica Federal, a greve atinge apenas as cidades de Belo Horizonte, Rio de Janeiro e Teresópolis. De acordo com levantamento feito pelo próprio banco, a paralisação atinge 6,09% das agências da Caixa e na maioria das cidades brasileiras as agências continuam a funcionar normalmente.

A Caixa informou ainda que, em caso de dificuldade, o cliente pode ir a outros pontos de atendimento da instituição, como casas lotéricas, correspondentes bancários e pontos de atendimento eletrônicos.
(©Folha Online)


Greve do Banco do Brasil tem adesão de 70% em SP, diz sindicato

ROSE SASSARRÃO
da Folha Online

Cerca de 70% dos 6.000 empregados do Banco do Brasil na Grande São Paulo estão de braços cruzados, segundo informou o Sindicato dos Bancários de São Paulo.

Pelo menos 45 das 280 agências e postos de atendimento do Banco do Brasil da Grande São Paulo não abriram suas portas. Também estão em greve a maioria dos trabalhadores em escritórios do BB. Já os funcionários da Caixa Econômica Federal trabalham normalmente em São Paulo, apesar de terem decidido pela paralisação no Rio de Janeiro e em Belo Horizonte.

Os bancários do BB iniciaram uma greve por tempo indeterminado hoje após rejeitarem a proposta de reajuste salarial feita pelo banco. Segundo a CNB-CUT (Confederação Nacional dos Bancários, ligada à CUT), também estão greve bancários de agências e escritórios do Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte e Porto Alegre.

O presidente da CNB-CUT, Vagner Freitas, disse que a adesão ao movimento é grande, mas a entidade ainda está realizando um levantamento nacional para saber quantos trabalhadores aderiram à greve.

"Hoje é o primeiro dia. Como as assembléias [que aprovaram a greve ontem à noite] terminaram tarde, muitos não ficaram sabendo. Mesmo assim, o movimento é forte. Esperamos adesão maior ainda amanhã", afirmou.

Em São Paulo, será realizada uma assembléia no final da tarde de hoje para avaliar o movimento. Não está prevista nenhuma reunião com o BB para discutir a greve.

Reajuste salarial

A greve foi iniciada após a categoria ter rejeitado a proposta de reajuste feita pelo BB. Durante reunião de última hora ontem, o banco concordou em oferecer a mesma correção proposta pela Fenaban (Federação Nacional dos Bancos), que negocia com os sindicatos o reajuste dos bancos privados.

O reajuste seria de 12,6% para a maioria dos funcionários. Quem ganha menos teria também uma promoção, que garantiria uma reposição extra.

Além disso, o banco ofereceu R$ 1.500 de abono e participação nos lucros de 80% do salário mais R$ 650 fixos.

Procurado, o BB ainda não quis se pronunciar sobre o assunto. Ontem, a assessoria de imprensa da instituição recomendou que, ao invés das agências, os clientes utilizem caixas eletrônicos ou a internet por causa da greve.
(©Folha Online)

Fonte: Folha Online